LinkedIn é acusado de sexismo contra programadora “bonita demais”
linkedin-marketing-services-2

LinkedIn, rede social para currículos e contatos profissionais, está sendo acusado de sexismo por ter removido anúncios que usavam a foto de uma programadora que seria bonita demais. Segundo o Daily Mail, a argentina Florencia Antara aparecia em propagandas de um serviço de contratação de freelancers, mas teria sido muito bonita para ser uma programadora de verdade.
A controvérsia começou quando a Toptal, plataforma de networking de desenvolvedores, postou uma série de anúncios no LinkedIn voltada ao setor de engenharia web. Os posts foram rapidamente removidos e a rede social pediu “fotos relacionadas ao produto”, o que levou a uma resposta indignada do CEO da Toptal, segundo o jornal britânico.
“O fato em questão é: membros da comunidade de tecnologia (usuários do LinkedIn) entenderam como impossível que nossas engenheiras mulheres poderiam realmente ser engenheiras, e um líder da comunidade de tecnologia (o LinkedIn) concordou com eles, disse Taso Du Val em um post de blog. “Infelizmente fomos banidos de exibir qualquer coisa que não seja 100% relacionado à produção de software de agora em diante”, continua.
A princípio, quando os anúncios foram removidos, o Toptal reenviou os mesmos anúncios, incluindo os que tinham a foto de Florencia. Mas o LinkedIn barrou as propagandas até que fossem feitas mudanças. “Hoje foi um dia de desapontamento no Toptal. Vimos sexismo extremo na comunidade de tecnologia, de uma líder da indústria e parceiro de anúncios com que trabalhamos extensivamente: LilnkedIn”, conclui o texto de Du Val, intitulado “Em defesa das engenheiras mulheres”.Um porta-voz do LinkedIn respondeu que os anúncios foram barrados por causa de um erro de revisão do time de serviço ao consumidor. “Tomamos as medidas necessárias para aprovar os anúncios rejeitados anteriormente, e a Toptal pode publicá-los agora na nossa plataforma, como era a intenção”, afirmou a rede social profissional ao Daily Mail.
A questão ficou mais complicada depois que foi ventilado que a Toptal não usava apenas imagens verdadeiras, e sim uma mistura de fotos de programadores reais com fotos de bancos de imagens – incluindo, por exemplo, uma de Amanda Schull, americana das séries One Tree Hill e Suits.
“E mesmo se fossem apenas fotos de bancos de imagens, quem se importa? O ponto é, elas são simplesmente OK e representam profissionais normais”, rebateu Du Val no post do blog. O CEO da Toptal também justificou que o uso de fotos de bancos de imagens foi um recurso inicial da campanha no LinkedIn, mas que agora há fotos de alta resolução suficientes e quase todas são de profissionais reais.

Fonte: www.tecnologia.terra.com.br